Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

Antevisão du Marathon du Mont-Blanc

por Pedro Caprichoso, em 23.06.15

Depois do ‘Azores Ultra-Trail’ e da ‘SkyMarathon Madeira’, a ‘Marathon du Mont-Blanc’ será minha terceira prova no estrangeiro. Não vou esconder a minha ambição: o objectivo é ganhar. Não vou fazer por menos. O Kilian comigo não faz farinha.

 

peak-transfer-marathon-du-mont-blanc-ckamonix.jpg

 

O facebook está constantemente a dizer-me que «não há impossíveis» e que «para ganhar basta acreditar». Acontece que eu não acredito nessas fantochadas. Os que acreditam em impossíveis e no poder do pensamento são os mesmos que ligam para o 760 10 30 10 na esperança de que uma burlona lhes resolva os problemas financeiros com um baralho de cartas. Pensar positivo vale pouco se não houver pernas e pulmões para alcançarmos os nossos objectivos. E, lamento informar-vos, mas há impossíveis, como por exemplo fazer uma Maratona abaixo das 3h com um extintor enfiado pelo rabo acima. Dito isto, não há milagres. Há que fazer pela vida. Para ganhar em Chamonix, das duas uma: ou se tem pernas ou se faz batota – e eu não tenho pernas.

 

RECORD-238091.jpgA minha estratégia não podia ser mais simples: vou dopar-me ‘à força toda’ e farei marcação cerrada ao Kilian Jornet do início ao fim da prova. Vou ser a sombra do Kilian recorrendo a um cocktail explosivo de substâncias dopantes. A saber: 2 comprimidos de ‘Libidium Fast’, 1 comprimido de ‘Imodium Rapid’, 5 Red Bulls, 1 pau de Cabinda e 2 folinhas de hortelã. Não é por acaso que «cock» está presente na palavra «cocktail». Depois, na recta da meta, sugiro-lhe cortarmos a meta juntos: dou-lhe a mão, corro um bom bocado com ele de mão dada – e, já em cima da meta, deslargo-lhe a mão, fujo dele e ganho isolado. Brilhante, não é?

 

Em Chamonix, não é a concorrência que me assusta. Todos têm duas pernas, dois pulmões, duas orelhas e três tomates como eu. Mais que dos adversários, do que eu tenho medo é de me distrair com as vistas, espetar um biqueiro num calhau, espalhar-me ao comprido e ficar com um tomate entalado na raiz de uma árvore. Nesse sentido, para focar-me exclusivamente no trilho e evitar que a paisagem me desconcentre, incluirei palas de burro no meu material obrigatório.

 

0be04484d5ae55f886b0cfd6a3e4fab9.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D