Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

Antevisão: Ultra Trail do Piódão 2016

por Pedro Caprichoso, em 31.03.16

O Piódão é o Chamonix português. Não tem a dimensão, nem o glamour, nem o glaciar, nem o funicular, nem os ferraris, nem as gajas boas, nem esparguete à bolonhesa a 25€ a dose. Tem fiats puntos, velhotas com bigode, neve esporádica no Pico da Cebola e broa de batata a 2,99€. Chamonix é melhor. É um facto. Não obstante, embora numa escala mais pequena, o Piódão consegue-nos igualmente transmitir uma estranha sensação claustrofóbica imposta pelos declives acentuados da Serra do Açor. A montanha parece cair sobre nós. Faz-nos sentir pequeninos—e eu gosto de me sentir pequenino. Põe as coisas em perspectiva.

 

broadebatata.jpg

 

Será a minha segunda vez no Piódão. A primeira foi em 2014. Participei na segunda edição e jurei para nunca mais. Só regresso por imposição do meu empresário. Gostei do percurso: é ao meu jeito: corrível. Gostei da organização d’O Mundo da Corrida: discreta, eficiente e sem merdas. Gostei das gentes, sobretudo de uma sueca que exibiu as suas magníficas mamas à passagem dos 28k. Pensando bem, podia ser japonesa. A hippie veio ao parapeito da janela da sua renovada casa-de-xisto e “meteu-as de fora”. Tirei os olhos do trilho, tropecei num calhau e não rachei os cornos por milagre. O Rui Luz seguia à minha frente e as suas nalgas rechonchudas ampararam-me a queda. Não percebo como ele não se despistou. Só há uma explicação: não gosta de mamas.

 

Swedish-Girls_o_91472.jpg

 

Gostei de muita coisa, mas não gostei nada de ter levado com a marreta aos 33k. Cinco quilómetros depois de levar com as mamas, levei com a marreta. E que marretada! Até vi estrelas. Literalmente. Estrelas verdes, em modo pisca-pisca, afectando a minha visão periférica. Subia a Fórnea a todo o gás e, de repente, sem que nada o fizesse prever, o homem da marreta assomou por detrás de um arbusto e atacou-me. Deve ter ido cagar. Deixou escapar o Rui enquanto evacuava e eu é que me lixei. PUMBA! Não ide em cantigas: o UTP começa na base da Fórnea. A subida é potencialmente corrível. Potencialmente. No entanto, com 32k nas pernas, podem estar descansados de que será toda feita a passo, vergando a mola com o focinho rente ao chão. Aconselho a ingestão de um gel, barra, comprimido de cafeína, sandes de presunto, cogumelo do tempo, testosterona ou nandrolona por volta dos 30k. Há 2 anos ia desmaiando no topo da Fórnea e fiz os primeiros 100 metros da descida a passo. Não tenho memória da segunda metade da subida. Acho que o homem da marreta deixou-me KO e posteriormente esbandalhou-me o rabinho. Só assim se explica a forma como acabei a prova: todo torcido.

 

meta.jpg

 

Já dei esta ideia aqui há atrasado e volto a repeti-la: que tal fazerem uma secção cronometrada—semelhante ao que se faz na Padela—nas escadas do Hotel do Piodão? Só os últimos 100 metros de escadas. Ver três centenas de desgraçados a arrastar a carcaça até à meta seria lindo de se ver. O André que o diga.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D