Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

Entrevista da ATRP ao TopMáquina

por Pedro Caprichoso, em 26.02.15

Temos o prazer de publicar em baixo a entrevista da ATRP ao TopMáquina no âmbito da nossa participação nos Campeonatos do Mundo de Trail:

 

Há quanto tempo corres?

Desde sempre. Mal saí dos testículos do meu pai, foi uma correria desgraçada até ao óvulo da minha mãe. Foi a primeira e única corrida que ganhei até hoje.

 

O que te atraiu no Trail Running?

Não sei o que é isso. Não falo Inglês. Do que eu gosto mesmo é de correr no monte. Gosto de correr no monte por duas razões: (1) porque gosto de correr; e (2) porque gosto do monte.

 

Como é a tua época e o teu plano de treinos?

A minha época é dividida em 3 ciclos: o ciclo hidrológico (porque é a hidratação é muito importante), o ciclo da vida (porque é fundamental estar vivo para treinar) e o ciclo menstrual (porque a minha disponibilidade para treinar está subordinada às hormonas da minha senhora). Quanto ao meu plano de treinos, este é baseado no meu Mapa Astral. Por exemplo: quando Júpiter está com ascendente em Saturno, faço séries; quando Marte está na Casa 7, faço treinos longos; quando Plutão está com ascendente em Tesão, baldo-me aos treinos e faço amor apaixonado com a minha senhora.  

 

Segues uma dieta específica? Tomas suplementação?

Sim e sim. Especificamente, como tudo o que me meterem à frente. Quanto à suplementação, como-a se não tiver espinhas. Tenho medo de me engasgar.

 

Fazes cross-training?

Sim. Para além de fazer amor apaixonado com a minha senhora, treino sempre com uma “cross” ao pescoço. Sou uma pessoa muito religiosa e nunca saio de casa sem o cruxifixo de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Qual o tipo de provas de que mais gostas?

Provas de vinho, queijo, presunto e roupa interior comestível.

 

Qual te marcou mais?

Sem qualquer dúvida, a Maratona de Provas de Roupa-Interior-Comestível – Ermesinde 2012. Foram 14 horas seguidas a servir de modelo de roupa interior comestível. Marcou-me porque fiquei com as nalgas todas marcadas pelos dentes dos provadores.

 

Fazes mais provas em Portugal ou no Estrangeiro?

No estrangeiro. Nomeadamente na Madeira e nos Açores.

 

Quais os teus próximos objectivos desportivos?

Tenho 2 objectivos a curto prazo: o primeiro é bater o meu recorde pessoal na Légua Nudista com a tenda armada; o segundo é participar na “Colour Run” com uma caçadeira de canos cerrados e limpar o sebo a todos os anormais que me atirarem farinha à cara.

 

Como encaras a tua participação nos Campeonatos do Mundo de Trail?

Com uma perna às costas.

 

O que é para ti a ATRP?

Uma sigla.

 

Que benefícios retiras de pertencer à Associação?

Para mim, são três os principais benefícios que retiro por pertencer à ATRP: não pagar impostos, andar de graça nos transportes públicos e estacionar nos lugares destinados aos deficientes. Dá-me muito jeito.

 

O que pensas deveria ser melhorado no Trail em Portugal?

Não percebo a pergunta. Penso que está mal formulada. Falta um “que” algures.

 

Qual pensas que deveria ser o papel da ATRP?

Penso que a ATRP não se deveria limitar a um só papel. Antevejo pelo menos 3 papeis para a ATRP: o papel de vilão, o papel de parede e o papel autocolante. Todos menos o papel comercial, pois estamos a ver as chatices que isso deu no BES.

 

Qual a tua opinião acerca dos Circuitos Nacionais?

A minha opinião sobre os Circuitos Nacionais é, em geral, positiva. Só acho mal que sejam disputados em circuito e em território nacional. Seria muito melhor se fossem disputados no estrangeiro em curto-circuito. De preferência em cenários de guerra. Ultra-Trail da Crimeia – o que vos parece?

 

Tens alguma sugestão de melhoria?

Sim. A minha sugestão passa por harmonizar o valor das inscrições das provas. As Organizações estabelecem actualmente o valor que bem entendem – e isso tem de acabar. A harmonização seria conseguida através da indexação do valor das inscrições ao preço da gasolina sem chumbo 98 de acordo com a seguinte fórmula matemática: [km da prova] X [preço da gasolina]. Exemplo: Valor da inscrição no UTSM = 100 X 1,578 = 157,8€.

 

Como encaras a integração do Trail enquanto modalidade do Atletismo?

Mal. Pois acho que o Trail tem mais em comum com o Curling do que com o Atletismo. Senão vejamos: no Trail temos atletas vassouras e no Curling usam-se vassouras. A meu ver, faria por isso mais sentido integrar o Trail enquanto modalidade do Curling.

 

Como vês o desenvolvimento do Trail a nível Nacional?

Com maus olhos.

 

Como vês o desenvolvimento do Trail a nível Internacional?

Com 3 graus de miopia.

 

Conheces o trabalho da ITRA? O que pensas desse trabalho?

Sim. Penso que o ITRA – Instituto de Turismo Rural do Alandroal – tem efectuado um excelente trabalho de promoção além-fronteiras da cultura, gastronomia e recursos naturais dessa bela localidade alentejana.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D