Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

Rescaldo do Paleozóico 2015

por Pedro Caprichoso, em 16.03.15

Começo por dizer que não gosto do cartaz. Aprendi na catequese que o ser humano descende de Adão e Eva. Acho por isso extremamente ofensivo que uma organização de Trail promova a Teoria da Evolução. Blasfémia. Ides todos arder nos quintos dos infernos. E o Anton Krupicka concorda comigo. Não é por acaso que ele é parecido com Jesus Cristo.

 

10714349_910034235673587_6763997287246510081_o.jpg

 

O atleta Americano aparece no cartaz como a última fase da evolução humana, dando a entender que ele descende do macaco. Mandei-lhe o cartaz pelo facebook e ele sentiu-se ofendido com tal sugestão: «Ai’me béri béri ofendéde», disse-me ele em americano via skype. E os direitos de imagem? Então ele aparece no cartaz e não pagam ao homem? Já sabem como são os Americanos: mais grave do que ofender a religião de Deus, é ofender o Capitalismo – a religião do dinheiro. Luís Pereira, põe-te a pau que vem aí um processo a caminho.

 

Estive para começar esta crónica com uma piada envolvendo o período Paleozóico e os Dinossauros do Trail Nacional. Só depois apercebi-me que o Paleozóico precedente os Dinossauros. No Paleozóico não havia dinossauros. Ao que parece, havia umas coisas chamadas trilobitas. Eu sei o que vocês estão a pensar: “trilobitas” é o conjunto formado por 3 crias de lobo do sexo feminino.

 

3_pups_one_howls.jpg

 

Não é. Infelizmente, trilobitas não tem nada a ver com lobos. É pena, pois com lobos já eu tinha pelo menos 3 piadas alinhadas: uma com os Lobos do Monte, outra com o Lobo [Albino Magalhães] e outra com o Wolf Lone. Paciência. Ficam guardadas no arquivo.

 

Segundo a Wikipedia, «os trilobitas são artrópodes característicos do Paleozóico, conhecidos apenas do registro fóssil.» Afinal são fósseis. Mas que azar! Com fósseis também não posso fazer piadas. Não quero que o José Capela pense que me estou novamente a meter com ele. Já disse que ele está a atravessar uma profunda crise de meia-idade – e seria o fim da picada se agora insinuasse que ele é um fóssil. Uma coisa é certa: para septuagenário, o Capela está muito bem conservado. Parabéns Capela!

 

10898085_975804499116076_3409968191172164927_n.jpg

 

Passei a prova toda a ouvir falar de um “elevador”. O “elevador” isto; o “elevador” aquilo. Enganaram-me. Não havia nenhum elevador. Nem elevador, nem teleférico, nem funicular, nem bondinho. A culpa é minha, no entanto. Fui eu que percebi mal: não é “elevador”; é “eleva-a-dor”. Assim já faz mais sentido, pois aquela subida elevou-me a dor a níveis estratosféricos. Malditos sejam.

 

10455290_966301860046704_7715460478368798762_n.jpg

 

No último terço da prova apanhámos muitos caminheiros – e todos sabemos o frete que é ultrapassar caminheiros. Quero por isso compartilhar convosco a minha técnica de ultrapassagem de caminheiros:

 

  1. Se o caminheiro é homem, peço muito educadamente: “Pela esquerda. Só um jeitinho, por favor”. O caminheiro encosta-se à direita e eu ultrapasso-o nas calmas. Termino agradecendo: “Obrigado.”
  2. Se for uma gaja boa, peço muito educadamente: “Pela esquerda. Só um jeitinho, por favor”. A gaja boa encosta-se à direita e eu vou contra ela, agarrando-me ao que estiver mais à mão. Termino desculpando-me: "Perdão.”
  3. Se pela traseira não conseguirem distinguir se é homem ou mulher, aconselho-vos a fazerem um desvio pelo meio do mato. Ultrapassem-no o mais ao largo possível, não vá o «coisinho» achar-vos graça e fazer-vos marcação serrada até à meta.

 

O último abastecimento tinha uma secção de gelatinas de fazer inveja. Fiquei intrigado com a gelatina com cafeína, mas optei por jogar pelo seguro e mandei abaixo duas doses industriais de gelatina com pau-de-cabinda. Por essa altura já ia a dar as últimas e não senti grandes melhoras a nível físico. O pau-de-cabinda só valeu mesmo pelos números de telefone que consegui sacar na última descida, aplicando a técnica de ultrapassagem (acima descrita) junto das gajas boas.

 

gelatina.jpg

 

Recebi duas massagens depois da prova. Gostei da primeira, feita pelos massagistas da organização – gente muito profissional. Mas confesso que gostei mais da segunda, feita pela minha patroa assim que cheguei a casa. Os primeiros trataram-me das pernas; a minha patroa tratou do resto. Acabei a prova com as orelhas empenadas e a minha Maria fez o serviço completo. Para quem não sabe, eu padeço de um enfermidade anatómica extremamente rara: tenho o clitóris nas orelhas.

 

5homensgostamsertocadosatrasorelha.jpg

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D