Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

Toda a Verdade sobre o TopMáquina

por Pedro Caprichoso, em 13.01.16

O JN Running pediu-me uma entrevista e a primeira coisa que eu fiz foi elaborar um discurso todo xpto. Tenho pânico de falar em público e pensei que me safaria melhor se tivesse a lição estudada. Enganei-me redondamente. Vocês já viram este vídeo e sabem do que eu estou a falar. Algumas partes escaparam-se-me e outras não resistiram à edição. Um desastre completo. Posto isto, de maneira a não acharem que eu sou um perfeito anormal, transcrevo em baixo a versão completa. Eis toda a verdade sobre o TopMáquina:

 

Capribolachudo.jpg

 [TopMáquina na véspera de ir para a tropa]

 

Infelizmente não comecei a correr porque pesava 220kg e fumava 5 maços de tabaco por dia, pois nesse caso teria uma história emocionante de superação para vos contar. A realidade é bem menos interessante.

 

Comecei a correr no século passado. Provavelmente em 1997. Na altura jogava futebol nos escalões de formação, e foi-me proposto por um colega de equipa começarmos a correr nas férias grandes para chegarmos melhor preparados ao início da época futebolística. Lembro-me de sentir que aquele circuito—que nos levava 25min a subir e outros 15 a descer—era o nosso Kilimanjaro. Sempre pensei que teria uns 10km. Anos mais tarde, equipado com um relógio GPS, descobri que nem 4km tinha.

 

Entretanto, em 1998, fui estudar para fora. Deixei o Futebol, continuei a correr e fiz a minha primeira prova em 2000—então com 20 anos. Sobrevivi à Meia-Maratona de Viseu com 1h35, federei-me e continuei a fazer provas de estrada até 2012—ano em que fiz a minha primeira prova de Trail.

 

Como sou um tipo que gosta de fazer as coisas com calma e não dar um passo maior do que a perna, escolhi os 70km do Ultra Trail Serra da Freita (UTSF 2012) para me estrear no Trail. A Freita é perto de casa dos meus pais, já tinha feito 3 Maratonas de estrada e julgava, do alto da minha sobranceria, que acabar o UTSF eram favas contadas. Fui ao engano. Completamente. Caí 10 vezes—sim, contei-as—e pensei em desistir outras tantas. Ainda hoje não sei como, mas lá consegui cortar a meta ao cabo de 11h30—já por essa altura o Mota havia tomado o seu duche e enfardado 3 bifanas. Depois da Freita fiz o UTAX, e depois outra e mais outra e mais outra… E agora aqui estou eu a ser entrevistado por aquilo que escrevo e não por aquilo que corro. No fundo, sou um atleta frustrado. Verdade.

 

Sempre escrevi. Tive muitos blogues ao longo dos anos, daqueles extremamente egocêntricos e nada interessantes. Entretanto, no final de 2014, comecei a escrever no facebook umas palermices relacionadas com o Trail e as pessoas pareciam reagir de forma positiva aos meus textos. Daí a criar o blogue foi um passo. O TopMáquina é a forma que eu tenho de não me levar a sério e de me rir de mim próprio. As provas são para competir, quanto mais não seja comigo próprio. Entre o tiro de partida e a meta só penso na competição. Fora isso, para não cair na obsessão da competição, sinto necessidade de apalhaçar. É quase como uma terapia, sendo que o melhor remédio é rirmo-nos de nós próprios.

 

Já que estou na televisão, posso mandar beijinhos para os meus Trail Runners preferidos? Refiro-me, como é evidente, aos primos Rodrigues (Pedro Rodrigues, Jérôme Rodrigues e André Rodrigues) e aos primos Silva (Nuno Silva, Ricardo Siva e Carlos Natividade Silva). Por fim, quero ainda mandar uma lambidela molhada à Missy TrailLab—a melhor atleta de 4 patas do Trail Nacional. [Nota para mim próprio: pegar na câmara e dar uma valente lambidela na lente de maneira a deixá-la embaciada.]

 

Já agora, em que canal é que isto vai dar?

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D