Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TRAIL RUNNING 15

por Pedro Caprichoso, em 09.10.15

12096477_962484160484071_1861798075101965605_n.jpg

 

O Nuno Miguel Maia chamou-me a atenção para o lançamento do muito aguardado TRAIL RUNNING 15 – e em boa hora o fez. Descarreguei o torrent, instalei o jogo, copiei o crack, joguei 5 horas seguidas e agora estou aqui para fazer a review do jogo.

 

A EA mantém a tradição e lança TRAIL RUNNING 15 para consolas e PC. Para começar podemos afirmar que a espinha central do jogo permanece a mesma. Isto não é surpresa tendo em conta o sucesso de TRAIL RUNNING 14. Entre as novidades, é de realçar a agilidade e controle de cada atleta, apresentando um comportamento corporal mais realista quando estão a alimentar-se, a atravessar uma linha de água, a ultrapassar um obstáculo ou a levar com a marreta nos cornos, possibilitando que estes tropecem e sofrem quedas mais realistas. As expressões faciais dos atletas demonstram mais emoção, as animações do público foram melhoradas, os trilhos desgastam-se ao longo da corrida e os atletas vassoura estão mais “inteligentes”.

 

Temos à nossa disposição todos os percursos das provas que integram o Circuito Nacional de Trail, Ultra-Trail e Endurance, com destaque para os Trilhos dos Abutres em modo “temporal”. O que mais salta à vista, porém, são os detalhes dos atletas: as suas reacções com base nos outros atletas tanto podem provocar alegria como desespero. O público dá espectáculo entoando os cânticos oficiais de cada equipa, empurrando-a para a vitória. A narração fica por conta de Rui Pinho e Bárbara Baldaia.

 

Em relação aos modos de jogo, não há grandes mudanças. Apenas algumas melhorias em relação à versão anterior. O sistema de localização de atletas foi melhorado e agora é possível criarmos e compartilharmos as nossas equipas "ideais". Também foram introduzidos um máximo de 3 parâmetros a serem definidos de modo a variar o estilo de corrida de cada atleta. Por exemplo, podemos “dizer” a um atleta para atacar na primeira metade da prova ou, pelo contrário, para se guardar para a segunda parte da mesma. Temos também a opção de usar bastões, ténis minimalistas ou maximalistas. Infelizmente, em termos de alimentação, estamos limitados à água / isotónico e às barras / géis. Há muito que os jogadores exigem que sejam introduzidas mais variantes a este nível, tais como marmelada, canja, enchidos e minis.  

 

Como prometido pela EA, os atletas vassoura estão agora mais inteligentes e motivam de forma fantástica os atletas mais lentos. No entanto, não estão totalmente livres de erros. Em determinadas ocasiões vai tudo por água abaixo e somos surpreendidos por um atleta vassoura que saca de um bastão e dá o golpe de misericórdia a um caminheiro em sofrimento.

 

Em suma, quem é fã da série notará muitas diferenças (para melhor) nessa nova versão. Veredicto final: 8/10.

 

Resta saber qual será o atleta escolhido para a capa da versão portuguesa. Fala-se em Quim Sampaio, mas ainda não está nada confirmado. O mais provável é que a ATRP promova um referendo junto dos seus associados.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D