Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

TOP MÁQUINA

Eu faço Trail e sou uma Máquina. E isso é Top!

I am Ultra

por Pedro Caprichoso, em 27.07.15

«Um ateu, um vegan e um ultramaratonista entram num bar. Como é que sabemos que eles entraram no bar? Porque fizeram questão de dizê-lo a toda a gente.»

 

Li esta anedota no outro dia e escangalhei-me a rir. Importa referir que, para além de Ultra, também sou ateu e simpatizante da causa vegan. Carne, comigo, só ao fim-de-semana. Durante a semana de trabalho faço voto de castidade.

 

marathon-car1-e1396273746909.jpg

 

Os Ultras adoram dizer a toda a gente que são Ultras, como se o simples facto de serem Ultras fosse um feito de outro mundo. Tu corres? Que bom para ti. Parabéns. A verdade verdadinha é que qualquer um, com o mínimo de preparação, consegue fazer uma Ultra. Tudo depende do ritmo.

 

Um Ultra não tem mais mérito do que um corredor de 10km só porque é Ultra. Há gente que corre depressa e há gente que corre devagar – esta é a única diferença. Para mim tem mais mérito um atleta que faça 10km em 35min do que um Ultra que faça, por exemplo, o próximo UTNLO em 8horas. O problema está em partir do princípio de que um Ultra tem mais mérito porque sofre mais. É falso. Um Ultra até pode sofrer mais nas provas, mas não sofre mais no treino. Quem pensa que o treino específico das distâncias clássicas (5.000, 10.000, Meia-Maratonas e Maratonas) é pêra-doce, é porque nunca o fez.

 

Verdade seja dita: os Ultras são arrogantes. A arrogância é consequência da corrida de longa distância devido à falta de cultura desportiva do nosso país. Os Portugueses só percebem de Futebol – e mal. O Zé—Povinho fica impressionado quando alguém lhe diz que fez uma Maratona – e os Ultras aproveitam-se disso para se motivarem. Os Ultras alimentam-se da admiração dos outros. Sabemos que fazer uma Maratona não é nada de especial, mas os louvores que recebemos não são piores por isso. À superfície somos humildes, mas no fundo somos cagões. Vivemos para os aplausos.

 

Quando estiverem a falar com um Ultra de pelotão, repararem na tendência que ele tem para desviar qualquer assunto no sentido da corrida – essa é, aliás, a principal função deste pardieiro. Pode ser de forma muito discreta, mas o assunto vai parar invariavelmente ao treino, às lesões, àquela prova ou àquele par de ténis novos que…

4 comentários

  • Imagem de perfil

    De Pedro Caprichoso a 29.07.2015 às 14:04

    Obrigado, Vítor.

    Eu não estou a desvalorizar os Ultras. Estou apenas a dizer que são esforços completamente diferentes. Por exemplo, quem está por dentro destas coisas do atletismo sabe que os 400m é uma das distâncias mais desgastantes ao nível do treino. O esforço não se mede apenas pelo tempo, mas também pela intensidade.
  • Sem imagem de perfil

    De Vitor Oliveira a 29.07.2015 às 15:18

    Sim também realço que não desvalorizo quem faz Ultras. Principalmente que os faz com treino e metologia, independentemente em que lugar fique. Agora quem praticamente só agora começou a correr ou simplesmente não treina o suficiente e por mero acaso consegue acabar a ultra... epa fico-me por aqui :)
  • Sem imagem de perfil

    De Sérgio Pontes a 05.08.2015 às 15:59

    Pois é exactamente isso, mas lá estou eu com o meu mau-feitio!

    Ainda nem há cerca de uma hora atrás li dois posts num blog de uma menina/senhora que fez agora pela primeira vez uma prova de 27 Kms no trail nocturno de Óbidos. Descreve que durante a mesma riu, chorou, gritou e por fim sorriu quando passado quase 6 horas chegou à meta! Diz também no mesmo post que foi ajudada pelos membros de uma crew, que não tem treinado em condições, que só consegui com o apoio deles, etc...

    No final aparece toda sorridente pois terminou a prova! Mérito ninguém lhe tira!

    De seguida li o post seguinte no mesmo blog e escrito pela mesma autora, que na segunda-feira estava a ser seguida por uma (se bem me recordo) naturaopata, pois estava com uma contratura no joelho, que segundo descreve nem dobrar as pernas conseguia...

    Pronto!? Vale a pena eu dizer alguma coisa?

    Eu que as tantas fico com fama de ter assim um feitio para o "torcidinho"

    Faz lembrar outro blog, no qual estou a participar numa "discussão" sobre essa mesma prova, onde a organização - há evidências que tenha tratado atletas "com dois pesos e duas medidas", mas isto são águas para outras núpcias...

    Abraço a todos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D